Corregedoria-Geral da PGM e a Coordenação Administrativo-Financeira divulgaram, nesta segunda-feira (06), os resultados da sondagem realizada com as chefias das equipes jurídicas e administrativas da Procuradoria sobre o trabalho remoto no período da pandemia.

Entre as vantagens apresentadas, destacam-se o aumento da produtividade e a otimização do tempo. Mais de 60% das equipes mencionaram pelo menos dois pontos positivos do trabalho remoto. Entre as principais dificuldades, figuram o acúmulo das atividades laborais com tarefas domésticas e cuidados com os filhos, a dificuldade/instabilidade do acesso remoto e problemas relacionados ao serviço particular de internet e ergonomia.

Sobre a compatibilidade do perfil dos servidores da PGM com o trabalho remoto, mais de 69% das chefias entendem que é compatível e 11,5% responderam que é compatível, exceto para os estagiários. Para 3,8%, o perfil não é compatível e outros 3,8% disseram não ser possível avaliar.

Sobre as condições do home office, mais de 25% das respostas revelam ser necessária a melhoria de equipamentos disponíveis em casa para o exercício das atividades. Pouco mais de 6% das respostas demonstram que a chefia não tem conhecimento sobre os ambientes de que os servidores dispõem para o trabalho remoto. Sobre as tarefas possíveis de serem realizadas por meio do trabalho remoto, a pesquisa indica que todas tarefas podem ser exercidas por meio do teletrabalho, porém com ressalvas.

Um eventual aumento de metas também foi abordado no questionário e 42% das respostas indicam que não há parâmetros suficientes para avaliar essa questão no momento. Outros 23% disseram não haver possibilidade. No que tange à economia para a administração e para os servidores, os principais pontos elencados foram energia elétrica, deslocamentos e material de higiene, limpeza e expediente. A sondagem também demonstrou elevado potencial de redução do espaço físico ocupado.

A apuração foi feita por meio de aplicação de questionário elaborado pela Corregedoria contendo nove perguntas abertas. A tabulação e apresentação dos dados foi feita pela equipe da CAF. Os resultados servirão de subsídio para a proposta de regulamentação do trabalho remoto, que está sendo elaborada pela Corregedoria-Geral e CAF. Vinte e seis questionários foram respondidos.

Confira a pesquisa na íntegra: https://bit.ly/31P90iV

Fonte: PGM / Foto: Denise Righi/PMPA